Cibercultura, regulação mediática e cooperação

A relevância da Comunicação no espaço lusófono está, em grande medida, vinculada à rede de interculturalidades que se cruzam nos países de expressão galaico-portuguesa. O património histórico manifesta-se aqui especialmente numa herança linguística que inspira relações de cooperação e solidariedade sociocultural. Seria, no entanto, lacunar pensar hoje o lugar da lusofonia à margem dos desafios globais da comunicação digital. Por isso, com o objetivo de continuar a debater a cooperação no espaço lusófono, o XII Congresso da Lusocom, que se articula com o III Congresso da Mediacom, propõe abrir a reflexão a dois novos imperativos: por um lado, a necessidade de inscrever a lusofonia no contexto mais vasto da cultura cibernética; por outro, a urgência de repensar os modelos de regulação da atividade mediática e de definir políticas de comunicação mais favoráveis à coprodução de um espaço sólido de conhecimento e expressão cultural.

Cibercultura, regulação mediática e cooperação são as três faces de um triângulo de articulação complexa e eventualmente improvável. No entanto, ao juntá-las, a Lusocom e a Mediacom pretendem discutir as oportunidades e os constrangimentos que a cultura mediática contemporânea oferece à expansão da lusofonia. Com este horizonte, estas duas organizações convidam investigadores, professores e estudantes de Comunicação de todos os países lusófonos para um encontro que ponha em perspetiva a sustentabilidade desta região, tanto em termos científicos como em termos identitários.

Línguas oficiais: Português e Galego